MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | saúde | Sociedade | youtube jc

Inflação deve levar a dívida pública a ultrapassar os 6 trilhões em 2022

Dívida pública corrigida pelos índices de preços pode chegar a uma proporção entre 27% e 31%, que no momento, está em 29,3%; governo diz ter reservas internacionais suficientes para pagar déficit

JEAN ALBUQUERQUE | [email protected]
Publicado em 27/01/2022, às 15h13

Inflação deve levar a dívida pública a ultrapassar os 6 trilhões em 2022
Inflação deve levar a dívida pública a ultrapassar os 6 trilhões em 2022 - Agência Brasil
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

A inflação pode levar a dívida pública a ultrapassar os 6 trilhões em 2022, de acordo com informações divulgadas nesta quarta-feira (26) pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Economia, que apresentou o PAF (Plano Anual de Financiamento) da dívida pública para este ano.

Para tentar conter o crescimento da dívida pública, o Governo Federal tem criado algumas metas. Neste caso, será criado um espaço para diminuir a fatia de títulos prefixados; aqueles com taxas de juros fixas e definidas antecipadamente. 

Além do aumento da participação dos papéis, que são corrigidos pela taxa Selic — juros básicos da economia. Essas iniciativas poderiam atrair os investidores aos títulos vinculados à Selic, que tem como perspectiva atingir dois dígitos na próxima semana com a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central. 

Por que a inflação impulsiona a dívida para 6 trilhões em 2022? Entenda 

A dívida pública corrigida pelos índices de preços pode chegar a uma proporção entre 27% e 31%, que no momento, está em 29,3%. Ao considerar a correção pelo câmbio, a dívida externa pode encerrar o ano entre 3% e 7%, o percentual atual é de 5%. Esses números não levam em consideração as operações de compra e venda de dólares no mercado futuro pelo Banco Central, que podem interferir no resultado. 

A parcela da DPF vinculada à Selic pode subir para um número entre 38% e 42%, que atualmente está em 36,8%. No caso da fatia dos títulos, eles podem encerrar o ano entre 24% e 28%, contra 28,9% registrados atualmente.

Prazo para pagamento da dívida pública; conheça

O  governo tem um prazo para cumprimento da dívida, que abriu margem para aumento com o Plano Anual de Financiamento em 2021, tendo prazo médio de 3,8 anos e de 4,2 anos no fim de dezembro. 

De acordo com o Tesouro, o governo possui dois mecanismos de segurança no sentido de garantir a capacidade de financiamento nos casos de crise econômica que impossibilitem o Tesouro de lançar títulos no mercado. Em contrapartida, a governo reservas internacionais que são suficientes para conseguir pagar os da dívida pública externa em 2022, totalizando o valor de R$ 16,9 bilhões. 

Afinal, o que é feito com a dívida do governo?

Além disso, é por meio do déficit das contas públicas, que o Tesouro Nacional emite títulos públicos para conseguir dinheiro com investidores e honrar os compromissos financeiros. 

Em contrapartida, há o comprometimento de devolver ao longo de alguns anos, os recursos com algum rendimento. Nesses casos, a correção usada para as operações pode seguir a taxa Selic, quando o juros é o básico da economia, a inflação, o câmbio ou ser prefixada com antecedência. 

*Com informações da Agência Brasil 

+++Acompanhe as principais informações sobre os benefícios sociais no JC Concursos.

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaquesSociedadeBrasil
Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.